As Línguas Élficas de Tolkien

Eu sei que essas letras bonitas são familiares e te digo porque: você as viu algumas vezes na trilogia  “O Senhor dos Anéis” e várias outras se leu os livros de Tolkien. A primeira frase de “OHobbit”está escrita, respectivamente em Tengwar, Quenya e Sindarin.

TENGWAR

As Tengwar eram o “alfabeto rúnico” dos elfos. Cada Tengwa  denota um fonema. O alfabeto consiste de vários símbolos, que representam nossas consoantes. As nossas vogais são representadas por meio de diacríticos (as Tehtar), “acentos”, colocados em cima das Tengwar, formando sílabas.

A tabela de equivalência Tengwar-Português está em um apêndice (não lembro qual) do livro “O retorno do rei” Em Tengwar se escreve o Quenya e Sindarin, assim como as línguas latinas são escritas no alfabeto romano.

Quenya

 desenvolvida pelos Elfos não-Telerin que alcançaram Valinor (os “Altos-elfos”) a partir de uma língua anterior chamada Eldarin Comum, que também evoluiu do chamado Quendiano Primitivo. Também foi adotado pelos Valar, que introduziram nele algumas palavras de sua própria língua, o Valarin, mas que só eram usadas em determinadas regiões.

Na Terceira Era do Sol o Quenya não era mais uma língua viva na Terra-média, passando por um processo histórico-linguístico parecido com o do Latim – inclusive há muitas semelhanças gramaticais (9 casos! – piada interna para estudantes de letras). Foi a primeira língua élfica a ser escrita, primeiramente com o sistema Sarati de Rúmil, depois com as Tengwar de Fëanor.

Maiores informações em Silmarillion

Vogais

O Quenya tem 10 vogais básicas organizadas em pares de curtas e longas.

Frontal Central Anterior
longa curta longa curta longa curta
Fechada ɪ u
Média ɛ ɔ
Aberta ɑː a

Tolkien citou que o <é> e <ó> longos, quando pronunciados corretamente, eram mais “tensos e ‘fechados'” que suas contrapartes curtas, portanto se aproximando ao [i] e [u] respectivamente. O Eldarin não possuía [ɔ] embora o Valarin e o Sindarin em seus estados mais primitivos o possuíssem.

Ditongos

Semivogal
Posterior Anterior
i iu
e eu
a ai au
o oi
u ui

Todos os ditongos do Quenya são decrescentes.

Consoantes

 

Labial Alveolar Palatal Velar Glotal
plana lab. plana lab.
Nasal m n ¹ ɲ³ ŋ6 ŋʷ11
Plosiva p  b t  d c² k7 g 10
Fricativa f  v s ç5 x8 h
Vibrante r
Aproximante lateral l ʎ4 ʍ12  w
central j9
  1. escrita <nw>
  2. escrita <ty>
  3. escrita <ny>
  4. escrita <ly>
  5. escrita <h> ou <hy>
  6. escrita <ng> ou <ñ>
  7. escrita <c>
  8. escrita <h>
  9. escrita <y>
  10. escrita <qu>
  11. escrita <ngw> ou <ñw>
  12. escrita <hw>

SINDARIN

o Sindarin era a língua élfica mais comumente falada na Terra-média na Terceira Era. Era a língua dos Sindar, aqueles Teleri que foram deixados para trás na Grande Marcha dos Elfos (Lembra que em O Senhor dos Anéis os Elfos estão deixando a Terra-Média e a Arwen decide ficar com o Aragorn? Então… localize-se aí).

Quando os Noldor retornaram à Terra-média, eles adotaram a língua Sindarin para se comunicar com os elfos que lá viviam, tendo em vista a proibição do rei Thingol do uso do Quenya em seu reino. O Sindarin possuía raízes comuns com o Quenya, mas era mais mutável que a última; havia um certo número de “dialetos” regionais do Sindarin, sendo aquele falado em Doriath considerada a forma mais nobre da língua.

O Sindarin é a língua referida como a língua élfica em O Senhor dos Anéis. A gramática se assemelha ao Galês (grande coisa, quem fala galês hoje em dia?) e línguas Celtas… Mas compare-o com línguas germânicas para entender melhor sua estrutura e sonoridade.

Era escrito com o alfabeto Cirth antes do retorno dos Noldor à Terra-média, mas após isto era escrito em Tengwar.

Labial Dental Alveolar Palatal Velar Glottal
plain lateral
Plosive p  b t  d k3 ɡ
Nasal m n ŋ 4
Fricative f  v θ  ð1 s ɬ2 x5 h
Trill r̥ 6 r
Approximant l j ʍ7  w
  1. escrito <th> e <dh> respectivamente
  2. escrito <lh>
  3. escrito <c>
  4. escrito <ng>
  5. escrito <ch>
  6. escrito <rh>
  7. escrito <wh>

Aletra /f/ é sempre pronúnciada como [v] no final de uma palavra.

 

 

PS: O Silmarillion é o melhor livro para quem quer aprender melhor sobre a histórias das línguas, mas fiquem tranquilos, em breve farei mais posts dando referências para cada livro publicado em nome do autor e também os demais idiomas da Terra Média! 

Um comentário em “As Línguas Élficas de Tolkien

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s