Texto de Shakespeare

“Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. Continuar lendo

Confesso que é horrível não saber o que vai acontecer

Que título enorme! Mas de fato é horrível não conseguir prever uma rua que seja pela qual sua vida vai passar. A minha agora é assim.

Há um ano atrás eu estava sendo pedida em casamento, numa cama macia, num quartinho silencioso, na melhor noite da minha vida ao som de caleidoscópio, do Paralamas. Me lembro de cada detalhe e daquele dia em diante eu não sabia exatamente o que seria da minha vida, estava morrendo de medo, mas tinha certeza que seria feliz não importasse o que acontecesse.

Até uns dois meses atrás eu ainda tinha esperanças de recuperar esse sonho, mas agora vivo em meio a um denso nevoeiro e esse objetivo ainda existe até seus mínimos detalhes, e enterrado dentro de mim. Rezo todos os dias para poder trazê-lo à tona novamente e meu maior medo é que isso não possa acontecer mais. O mundo dá voltas, o tempo se encarrega das pessoas e no fundo a esperança sempre vai continuar aqui.

2012 definitivamente é o ano do caos, mas o que temo mesmo é 2013. Talvez eu me torne mais uma desempregada com diplomas que de nada serviram, e que mora na casa dos pais, como uma fracassada. Talvez eu me torne uma velha gorda, com gatos e cachorros. Talvez eu infarte antes disso. Ah, sim estou sendo dramática! Mas tenho tanto medo coisas assim acontecerem…

Estou focando nos estudos, aos poucos sinto que estou voltando a ser eu mesma, mais meiga, doce, gentil… depois de todo esse processo de endurecimento, estou feliz por isso. Me sinto constantemente incompleta, mas parei de tentar preencher esse vazio: só há uma coisa que pode resolver isso e provavelmente ela não vai acontecer. Estou aprendendo a conviver com isso.

Seja lá o que aconteça, espero que seja sempre algo de bom e que eu consiga lidar com o que quer que seja com maturidade.

 

 

Borboletas – Mário Quintana

BORBOLETAS

Quando depositamos muita confiança ou expectativas em uma pessoa, o risco de
se decepcionar é grande.

As pessoas não estão neste mundo para satisfazer as nossas expectativas, assim como não estamos aqui, para satisfazer as dela.

Temos que nos bastar… nos bastar sempre e quando procuramos estar com alguém, temos que nos conscientizar de que estamos juntos porque gostamos, porque queremos e nos sentimos bem, nunca por precisar de alguém.

As pessoas não se precisam, elas se completam… não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida.

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com a outra pessoa, você precisa em primeiro lugar, não precisar dela. Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é o homem ou a mulher de sua vida.

Você aprende a gostar de você, a cuidar de você, e principalmente a gostar de quem gosta de você.

O segredo é não cuidar das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até você.

No final das contas, você vai achar
não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

Mario Quintana